Segunda parcela do auxílio de R$ 600 deve ser paga a partir da semana que vem – Diário Online



A Caixa Econômica Federal deverá começar a pagar a
segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600 no meio da próxima semana,
segundo informou o ministro Onyx Lorenzoni (Cidadania) em entrevista no
programa Brasil Urgente nesta quinta-feira (30).

Segundo ele, até agora, 50 milhões de brasileiros têm
direito de receber o auxílio emergencial, de um total de 96 milhões de CPFs
analisados pela Dataprev (empresa de tecnologia do governo). De acordo com o
ministro, são 31 milhões de brasileiros não são elegíveis, ou seja, não terão
direito ao benefício.

Há ainda um número de CPFs cuja análise foi
inconclusiva, o que engloba 13,6 milhões de brasileiros. Neste caso, o ministro
informou que começou a ser feita reanálise destes CPFs para identificar quem,
dentre os mais de 13 milhões, têm direito ao auxílio para que o pagamento seja
feito.

“Hoje [quinta-feira,30], já começaram a procurar
nestes 13 milhões de CPFs quem tem direito, para solucionar sem que a pessoa
tenha que fazer novo cadastramento. É um trabalho grande e nós estaremos, já na
próxima semana, com a verificação destas pessoas.”

Ele diz ainda que a Dataprev trabalha “para
colocar um site no ar para a pessoa saber exatamente o que aconteceu com
ela”.

Sobre o pagamento da segunda parcela, o ministro
informou ainda que, quem tem direito ao benefício e ainda não recebeu irá ter a
grana retroativa, caso se inscreva até 2 de julho e cumpra todas as exigências.
Neste caso, é possível receber até R$ 1.800 de uma vez.

MAIS DE SEIS MILHÕES

O ministro disse também que, na semana que vem, a Caixa
deve liberar o benefício para mais de 6 milhões de pessoas. Esses cidadãos se
inscreveram via aplicativo ou site e tiveram seus CPFs analisados pela Dataprev
nesta semana. Os dados estão sendo enviados para a Caixa.

Balanço do banco divulgado nesta quinta-feira (30)
mostra que, até as 17h, 49,7 milhões de informais haviam se inscrito no site ou
no aplicativo do auxílio emergencial para ter o benefício.

 

De acordo com a lei, pode receber o auxílio quem
cumprir as seguintes condições, acumuladamente:

– É maior de 18 anos

– Não tem emprego formal

– Não receba benefício assistencial ou do INSS, não
ganhe seguro-desemprego ou faça parte de qualquer outro programa de
transferência de renda do governo, com exceção do Bolsa Família

– Tenha renda familiar, por pessoa, de até meio
salário mínimo, o que dá R$ 522,50 hoje, ou renda mensal familiar de até três
salários mínimos (R$ 3.135)

– No ano de 2018, recebeu renda tributável menor do
que R$ 28.559,70

 

O futuro beneficiário deverá ainda cumprir pelo menos
uma dessas condições:

– Exercer atividade como MEI (microempreendedor
individual)

– Ser contribuinte individual ou facultativo da
Previdência, no plano simplificado ou no de 5%

– Trabalhar como informal empregado, desempregado,
autônomo ou intermitente, inscrito no CadÚnico até 20 de março deste ano ou que
faça autodeclaração e entregue ao governo





Fonte da notícia

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*