Quem é Arilton Moura, pastor preso no Pará pela PF suspeito de pedir propina em troca de verbas do MEC | Pará


O pastor Arilton Moura Correia, preso no Pará pela operação “Acesso Pago” da Polícia Federal, é diretor do Conselho Político da Convenção Nacional de Igrejas e Ministros de Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) Cristo para Todos.

Após a operação, ele foi levado para uma Central de Triagem em Belém e deve ser ouvido em audiência de custódia nesta quinta-feira (23) na Superintendência da PF no Pará.

Arilton Moura é apontado pelas investigações como “braço direito” do pastor Gilmar Santos e atuava como lobista, acusado de pedir propina a prefeitos para que recursos do Ministério da Educação (MEC) fossem liberados para a construção de escolas.

O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) informou que o pastor Arilton Moura esteve 35 vezes no Palácio do Planalto entre 2019 e fevereiro deste ano. Na maior parte das vezes, Arilton foi sozinho, mas em dez visitas, o pastor Gilmar Santos entrou no Palácio com ele.

Da direita para esquerda: presidente Jair Bolsonaro; ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro; pastor Gilmar Santos; e pastor Arilton Moura. — Foto: Catarina Chaves / MEC

A foto de Arilton foi impressa em uma bíblia que circulou na cidade de Salinópolis, o que virou polêmica em março deste ano.

O ex-ministro de Educação do governo Jair Bolsonaro, Milton Ribeiro, e o pastor Gilmar Santos também tinham fotos nos exemplares distribuídos.

Bíblia personalizada com fotos de Milton Ribeiro e pastores é distribuída durante evento do MEC em Salinópolis, no Pará. — Foto: Reprodução

Segundo as investigações da PF, os pastores são acusados de pedir a prefeitos propina, compra de bíblias e até ouro, em troca da liberação de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

À época das denúncias, a CGADB publicou uma nota, assinada pelo pastor José Wellington Costa Junior, afirmando que os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura “não representam e não têm autorização para falar em nome” da convenção.

“(…) a CGADB repudia as práticas noticiadas na imprensa relativamente à intermediação de verbas públicas junto ao Ministério da Educação”, afirma a nota.

O g1 solicitou nota da Igreja Assembleia de Deus, mas aguardava resposta até a publicação da reportagem.

Foto do pastor Arilton Moura em bíblia distribuída em Salinópolis no Pará. — Foto: Reprodução

Pastor já foi secretário de governo

No Pará, Arilton Moura foi nomeado no dia 4 de junho de 2018 como secretário extraordinário de Estado para Integração de Ações Comunitárias na gestão de Simão Jatene.

A exoneração foi publicada no Diário Oficial do Estado em novembro do mesmo ano.

Nomeação e exoneração de pastor para secretaria do governo do Pará. — Foto: Reprodução / Diário Oficial do Estado do Pará

Segundo a PF, a investigação iniciou com autorização do Supremo Tribunal Federal (STF), em razão do foro privilegiado de um dos investigados.

Com base em documentos, depoimentos e relatório final da investigação preliminar sumária da Controladoria-Geral da União, reunidos no inquérito policial, foram identificados possíveis indícios de prática criminosa para a liberação das verbas.

Ainda de acordo com a PF, as ordens judiciais foram emitidas pela 15ª Vara Federal Criminal da Seção Judiciária do Distrito Federal, após declínio de competência à 1ª instância.

O crime de tráfico de influência está previsto no artigo 332 do Código Penal, com pena prevista de 2 a 5 anos de prisão.

São investigados também os crimes de corrupção passiva, prevaricação e advocacia administrativa, todos também previstos no Código Penal.

O inquérito foi aberto após o jornal “O Estado de S. Paulo” revelar, em março, a existência de um “gabinete paralelo” dentro do MEC controlado pelos dois pastores. Dias depois, o jornal “Folha de S.Paulo” divulgou um áudio de uma reunião em que Ribeiro afirmou que, a pedido de Bolsonaro, repassava verbas para municípios indicados pelo pastor Gilmar Silva.

Registros do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) apontam dezenas de acessos dos dois pastores a gabinetes do Palácio do Planalto.

Leia as principais notícias do estado no g1 Pará



Fonte da notícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pular para a barra de ferramentas