Pará registra queda de 27% na casos de malária | Pará


Foi registrada a redução de 27,4% de casos de malária no Pará, entre 2019 e 2020. O levantamento foi divulgado nesta terça-feira (20). Considerando o primeiro trimestre de 2020 e de 2021, houve redução de mais 12,1% do número de casos, o que representa menos 602 pessoas infectadas nesse período.

Oeiras do Pará é um dos municípios prioritários da Coordenação de Malária da Sespa no combate à doença. Equipes são deslocadas todo o mês para diferentes localidades da cidade para fortalecer a educação em saúde e intensificar ações de controle da doença. O apoio da força-tarefa no município, segundo a diretora do Departamento de Endemias da Sespa, Adriana Tapajós, é fundamental para garantir a redução contínua do registro de casos de malária.

“A partir desse trabalho, apresentamos respostas de diminuição de casos bem evidentes. De 2019 para 2020, Oeiras do Pará teve uma redução de cerca de 75% dos casos da doença no município. O Estado vem atuando de forma presente e esse trabalho é reconhecido internacionalmente”, destaca a diretora.

Em 2020, o município ganhou premiação internacional pela acentuada redução da incidência de casos de malária no nordeste paraense. Ele foi um dos cinco municípios da América Latina a receber o Prêmio “Campeões contra a Malária nas Américas”. De quase 11 mil casos em 2018, Oeiras registrou pouco mais de mil pessoas doentes em 2020, saindo da condição de terceira maior área endêmica de malária para a 27ª posição.

A rede de Diagnóstico e Tratamento da Malária da cidade dispõe de 17 microscopistas (dois mantidos pela Sespa), 16 Unidades de Diagnóstico e Tratamento e 32 agentes de controles de endemias alocados em todo o território do município, principalmente nas regiões de difícil acesso e de divisas.

Equipes da Sespa estão, atualmente, nos municípios de Anajás, Oeiras do Pará e Bagre. Também há equipe na cidade de Cametá, com ações de monitoramento e supervisão da regularidade da qualidade do diagnóstico e do tratamento.



Fonte da notícia

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*