Homem com Covid-19 perde leito e filho responsabiliza assistente social da UPA de Icoaraci – Diário Online


Mesmo após os familiares do paciente Tamilton Alex Andrade Martins, de 51 anos, diagnosticado com a Covid-19, conseguirem um leito no Hospital de Campanha do Governo do Estado, em Belém, a transferência dele, da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Icoaraci para o Hospital, não foi efetuada.

A família de Talmilton, que está internado na UPA desde o último sábado (25), acusa uma assistente social de ser negligente e não ter atendido a uma solicitação da Central de Regulação para a transferência dele. A vaga surgiu na quarta-feira (29).

O filho do paciente, Samuel Martins, contou que procurou pela assistente social de plantão na UPA de Icoaraci para que ela autorizasse a transferência e liberasse a ambulância para fazer o traslado do paciente, mas ela não o fez e outro paciente ocupou o leito que a família de Tamilton se mobilizou para conseguir.

Samuel conseguiu, junto a Central de Regulação de Leitos, um documento que, segundo ele, comprovaria a negligencia por parte da equipe de assistência social da UPA de Icoaraci. As assistentes sociais teriam recebido duas chamadas de transferência do paciente para o Hospital de Campanha, montado no Hangar, em Belém. A primeira ocorreu ainda na madrugada de quarta-feira (29), às 01h38. A segunda pela manhã, às 9h59.

Cerca de quinze horas após a primeira chamada, às 16h25, o sistema acusou que não houve resposta das assistentes sociais da UPA de Icoaraci, segundo o filho do paciente e, com isso, Tamilton perdeu o leito. Nas redes sociais, Samuel fez um apelo:

Reprodução/Facebook

 

Mauro Ângelo/Diário do Pará

 

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde esclareceu que não houve nenhuma liberação de leito para o paciente Tamilton Alex Andrade Martins nas centrais de leito, tanto municipal, quanto estadual. Segundo a secretaria, a família interpretou o histórico de regulação de forma equivocada. Leia na íntegra:

A expressão “aguardando confirmação de reserva” quer dizer que o mesmo já está cadastrado na central de leitos. Só é liberado para transferência quando o sistema é atualizado e aparece a palavra “reservado”. Esta informação foi explicada pela Central de Cadastro e Transferências (CCT) da UPA de Icoaraci.

A  Sesma ressalta que qualquer manifestação sobre os serviços de saúde municipais e atuação de servidores, pode ser feita à Ouvidoria da própria UPA ou na Ouvidoria do SUS, por meio dos telefones 3184-6130 / 136 (Disque Saúde); em uma das caixas da ouvidoria instaladas no HPSM  Mario Pinotti, Unidade Municipal de Saúde da Marambaia e na Unidade de Pronto Atendimento de Icoaraci; ou pelos emails: [email protected] | [email protected] As denúncias presenciais estão suspensas por conta do momento epidemiológico.





Fonte da notícia

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*