Em Belém, vacinação contra Covid-19 continua entre pessoas com comorbidades entre 58 e 56 anos | Pará


Em Belém, a vacinação contra Covid-19 de pessoas com comorbidades continua a partir desta quinta (6), em ordem decrescente de idade, com as faixas etárias de 58, 57 e 56 anos (nascidos em 1963, 1964 e 1965).

Nesta quarta foi a vez de pessoas com 59 anos, ou nascidos em 1962. O calendário deve seguir ordem decrescente de idade, segundo a Prefeitura. Confira a lista de comorbidades ao final.

Nesta atual fase de imunização, pessoas com uma ou mais comorbidades estão na prioridade. O avanço do calendário deve considerar também a disponibilidade de doses.

Para vacinar é preciso apresentar:

  • RG, CPF, cartão SUS e comprovante de residência em Belém
  • cópia do laudo, atestado ou receita médica que comprove a comorbidade e que será retido no ponto de vacinação.

Segundo a prefeitura, em razão de especificidades técnicas da vacina da Pfizer não haverá sistema drive-thru. Os postos de vacinação devem ser montados em áreas com ar-condicionado. A maioria dos pontos de vacinação usados até o momento em Belém devem ser mantidos.

O anúncio do novo calendário veio após a chegada de novas doses de imunizares no estado. Foram no total 220.790 doses, sendo 14.040 da vacina produzida pela Pfizer, em parceria com a empresa alemã BioNTech, e 206.750 da Oxford/AstraZeneca, produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Confira a lista de comorbidades, definidas pelo Ministério da Saúde:

  1. Arritmias cardíacas (com importância clínica e/ou cardiopatia associada: fibrilação e flutter atriais; e outras).
  2. Câncer.
  3. Cardiopatia hipertensiva (hipertrofia ventricular esquerda ou dilatação, sobrecarga atrial e ventricular, disfunção diastólica e/ou sistólica, lesões em outros órgãos-alvo).
  4. Cardiopatias congênita no adulto (Cardiopatias congênitas com repercussão hemodinâmica; crises hipoxêmicas; insuficiência cardíaca; arritmias; comprometimento miocárdico).
  5. Cirrose hepática.
  6. Cor-pulmonale e Hipertensão pulmonar (Cor-pulmonale crônico, hipertensão pulmonar primária ou secundária)
  7. Diabetes mellitus.
  8. Doença cerebrovascular (Acidente vascular cerebral isquêmico ou hemorrágico; ataque isquêmico transitório; demência vascular).
  9. Doença renal crônica (Doença renal crônica estágio 3 ou mais (taxa de filtração glomerular < 60 ml/min/1,73 m2) e/ou síndrome nefrótica).
  10. Doenças da aorta, dos grandes vasos e fístulas arteriovenosas (Aneurismas, dissecções, hematomas da aorta e demais grandes vasos).
  11. Hemoglobinopatias graves (Doença falciforme e talassemia maior).
  12. Hipertensão arterial estágio 3 (PA sistólica ≥180mmHg e/ou diastólica ≥110mmHg independente da presença de lesão em órgão-alvo (LOA) ou comorbidade).
  13. Hipertensão arterial estágios 1 e 2 com lesão em órgão-alvo e/ou comorbidade (PA sistólica entre 140 e 179mmHg e/ou diastólica entre 90 e 109mmHg na presença de lesão em órgão-alvo e/ou comorbidade).
  14. Hipertensão Arterial Resistente (HAR). Quando a pressão arterial (PA) permanece acima das metas recomendadas com o uso de três ou mais anti-hipertensivos de diferentes classes, em doses máximas preconizadas e toleradas, administradas com frequência, dosagem apropriada e comprovada adesão ou PA controlada em uso de quatro ou mais fármacos antihipertensivos.
  15. Imunossuprimidos (indivíduos transplantados de órgão sólido ou de medula óssea; pessoas vivendo com HIV; doenças reumáticas imunomediadas sistêmicas em atividade e em uso de dose de prednisona ou equivalente > 10 mg/dia ou recebendo pulsoterapia com corticoide e/ou ciclofosfamida; demais indivíduos em uso de imunossupressores ou com imunodeficiências primárias).
  16. Insuficiência cardíaca.
  17. Miocardiopatias e pericardiopatias (miocardiopatias de quaisquer etiologias ou fenótipos; pericardite crônica; cardiopatia reumática).
  18. Obesidade mórbida (Índice de massa corpórea (IMC) ≥ 40).
  19. Pneumopatias crônicas graves (doença pulmonar obstrutiva crônica, fibroses pulmonares, pneumoconioses, displasia broncopulmonar e asma grave (uso recorrente de corticoides sistêmicos, internação prévia por crise asmática).
  20. Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados (portadores de próteses valvares biológicas ou mecânicas; e dispositivos cardíacos implantados (marca-passos, cardio desfibriladores, ressincronizadores, assistência circulatória de média e longa permanência).
  21. Síndromes coronarianas (síndromes coronarianas crônicas: angina pectoris estável, cardiopatia isquêmica, pós infarto agudo do miocárdio).
  22. Valvopatias (lesões valvares com repercussão hemodinâmica ou sintomática ou com comprometimento miocárdico, estenose ou insuficiência aórtica; estenose ou insuficiência mitral; estenose ou insuficiência pulmonar; estenose ou insuficiência tricúspide, e outras).



Fonte da notícia

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*