Águia Guerreira, Time de Periçá, Clube de Suíço: saiba o porquê dos ‘apelidos’ – Diário Online


Os três grandes clubes da capital paraense acumulam apelidos que ganharam força ao longo do tempo, e que já são velhos conhecidos de seus torcedores. Clube do Remo, Paysandu Sport Club e Tuna luso Brasileira são conhecidos também por outras nomenclaturas, ou alcunhas, com grandes histórias por trás delas. Conheça as mais populares. 

Clube do Remo, o Clube de Periçá

Carlos Ferreira Lopes, o Periçá. Reprodução

 

Carlos Ferreira Lopes, conhecido como Periçá, foi atleta do Clube do Remo, disputava
várias modalidades: foi jogador do time de segundos quadros (futebol),
nadador e remador.

No dia 15 de maio de 1921, em prova de mergulho livre na Baía de Guajará, demorou muito tempo submerso, foi resgatado ainda
com vida e levado para o Hospital Dom Luís I. Porém, não resistiu e faleceu na noite de 23 de maio de 1921, com apenas 22 anos de idade. 

Periçá era uma grande promessa do esporte, que se foi tão cedo. A partir de então, pela sua bravura ao defender as cores do Clube do Remo, este passou a carregar em uma de
suas alcunhas mais populares, o nome daquele que como um Leão defendeu suas
cores até a morte. Nascia, então, o “Clube de Periçá”. 

Paysandu, o Clube do Suíço 

Antônio Manoel de Barros Filho, o Suíço
Antônio Manoel de Barros Filho, o Suíço Reprodução

 

Em 1914 Antonio Manoel de Barros Filho, mais conhecido como Suíço (Suisso, na ortografia da época), chegou ao Paysandu, e sua estreia foi no ano seguinte contra o Clube do Remo, onde o Papão venceu por 2 a 0 (o primeiro clássico Re-Pa vencido pelos bicolores). A partir daí, o jogador passou a nutrir amor pelo Papão que, para ele, era uma espécie de devoção.

Suíço também participou dos três primeiros títulos estaduais do clube.

Havia na sede antiga do Paysandu, a que foi demolida para dar lugar a atual, carinhosamente guardado em armário envidraçado, o último uniforme do Paysandu que Suiço usou (camisa, calção, meias e chuteiras), e , na parede, pendurado por cima desse armário, o retrato emoldurado de “Suiço”.

Antônio Manoel recebeu o apelido em função de seus estudos na Suíça, de onde retornou em 1913.

Tuna Luso, Águia Guerreira 

águia Guerreira, símbolo da Tuna Luso
águia Guerreira, símbolo da Tuna Luso Reprodução

 

Águia Guerreira nada mais é do que o mascote escolhido para representar a Tuna Luso Brasileira. A escolha do animal foi devido ser a ave mais forte,
bonita e corajosa do mundo animal. Além disso, a águia também tem um grande
poder de renovação. Uma sugestão do renomado cartunista paraense Biratan Porto.

A Tuna também é conhecida como “Elite do Norte”, e tradicionalmente, a terceira força do futebol paraense. 





Fonte da notícia

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*