Trecho de 51 quilômetros da Cuiabá-Santarém é entregue – Diário Online


Quarenta anos. Foi o tempo que o setor produtivo, a população local e motoristas que transitam pela rodovia BR-163 tiveram de esperar para ter o trecho entre a cidade de Sinop (MT) até os portos de Miritituba, no município de Itaituba, sudoeste paraense, totalmente pavimentado. A entrega dos últimos quilômetros de pavimentação da via ocorreu ontem, no distrito de Cachoeira da Serra, pertencente a Altamira, com a presença do governador do Pará, Helder Barbalho, do presidente da República, Jair Bolsonaro, do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e outras autoridades.

No Pará, Bolsonaro diz que sua família é atacada o tempo todo e que reeleição ‘é natural’

Também conhecida como Cuiabá-Santarém, a BR-163 é fundamental para o agronegócio da região. É uma importante via de transporte de grãos, como soja e milho, do Mato Grosso aos portos do chamado Arco Norte, no Pará, para que os produtos sejam exportados aos principais consumidores do mundo.

Os 51 quilômetros entregues ontem estão situados entre a Vila Moraes de Almeida e o município de Novo Progresso. Esse trecho por muito tempo gerou dor de cabeça aos aproximadamente seis mil caminhoneiros que transitam diariamente por lá. Os atoleiros causados pelas chuvas no local, anteriormente sem pavimentação, geravam imensas filas e atrasavam por vários dias as viagense a exportação dos grãos.

Para a conclusão da obra foram investidos R$158 milhões, em 2019, em um esforço de centenas de trabalhadores, entre servidores do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), militares do Exército Brasileiro e funcionários de empresas contratadas, que, além da pavimentação dos 51 quilômetros, realizaram serviços de manutenção em mais 1.300 quilômetros da rodovia,de Sinop (MT) a Santarém.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que a conclusão da obra era uma das prioridades do Governo Federal. “É um momento de alegria, depois de 40 anos de sofrimento. Essa obra começou a ser tratada pelo governo ainda na transição em 2018. Governar é eleger prioridades e buscar não deixar obras paradas”, disse em seu discurso.

A partir de agora, os caminhoneiros que transitam pela via farão viagens mais curtas Marco Santos/Agência Pará

 

DEMORA

Caminhoneiros que escoam a produção agrícola de Mato Grosso até o porto de Miritituba demoram mais de uma semana para percorrer um trecho de pouco mais de mil quilômetros, que liga as duas regiões. Agora com a pavimentação esse tempo será reduzido consideravelmente.

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, fez questão de lembrar daqueles que acreditaram no projeto desde o início, e afirmou que além de uma importante obra para o desenvolvimento do país, a conclusão da BR-163 representa uma realização pessoal. “Eu sempre falei para quem lutou muitos anos pela 163 que era a minha maior frustração não ter terminado essa BR. Hoje, vale lembrar daqueles que participaram da implantação desta rodovia, que foram visionários de deslocar sua logística para o Norte, mostrando o caminho que vai nos aproximar da Ásia e Europa, tornando nossos produtos mais baratos e competitivos. Heróis que vieram para essa região, que acreditaram na conclusão dessa obra, saindo de todos os lugares, e fizeram a diferença no Brasil. Ano passado, nessa mesma época, nós tínhamos muita chuva e atoleiros, com 50 km de fila de caminhão, e nós viemos pra cá pra e prometemos que iríamos terminar a BR até o final do ano”,afirmou o ministro.

LOCAL HISTÓRICO

– O local escolhido para a cerimônia de entrega da BR-163 foi pensado por um motivo especial.

– O quilômetro 102 é conhecido como ‘marco zero’ da rodovia, onde se encontraram, em 1970, o 8º Batalhão de Engenharia e Construção do Exército, que tocou a obra a partir de Santarém (PA), e o 9º Batalhão, responsável pelo trecho a partir de Cuiabá (MT).

– Também é o local onde, em 1976, o então presidente da República Ernesto Geisel esteve para inauguração da via.

(Com informações da Agência Pará e da Agência Brasil)





Fonte da notícia

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*