Mais quatro pacientes do Amazonas chegam a Belém com estado grave da Covid-19




Pacientes foram encaminhados para o hospital de campanha, montado no Hangar, em Belém. Unidade já recebeu seis pacientes do estado vizinho. Pará recebe mais quatro pacientes do Amazonas em estado grave da Covid-19.
Reprodução / Agência Pará
Chegaram a Belém, na manhã desta terça (19), mais quatro pacientes com Covid-19 do Amazonas.
São três mulheres e um homem, em estado grave, que foram transferidos para as Unidades de Terapia Intensiva (UTI) do hospital de campanha montado no Hangar, na capital do Pará.
Ao todo, o Pará já recebeu seis amazonenses. Na segunda (18), duas mulheres de Parintins já haviam sido recebidas.
A diretora da Central Estadual de Regulação, Camylla Rocha, da Secretaria de Saúde do Pará (Sespa), informou que uma ala específica recebe os pacientes amazonenses na unidade hospitalar. “Vamos cuidar deles como se fossem nossos parentes, com o melhor atendimento possível, e todos os cuidados estão sendo tomados”.
O avião com os pacientes da Força Aérea Brasileira (FAB) saiu de Parintins, local de origem dos quatro pacientes, e pousou por volta das 9h45 na Base Aérea de Belém. Cada paciente veio com um acompanhante.
Em nota, o governo do Pará informou que o hospital de campanha tem capacidade para expansão de até 420 leitos clínicos e de UTI e que os níveis de oxigênio seguem regulares, atendendo às demandas.
A disponibilidade de leitos no Pará para pacientes do Amazonas foi anunciada após o sistema de saúde amazonense entrar em colapso, após as internações por Covid-19 no estado baterem recorde.
Barbalho havia disponibilizado trinta leitos no Hospital de Campanha do Hangar, em Belém, destinando dez leitos de UTI e vinte leitos clínicos para receber a demanda a partir do último sábado (16). O Amazonas ficaria responsável pelo transporte de Manaus até Belém.
Colapso em Manaus
Amazonas está sob toque de recolher por 10 dias
Sobrecarregados, os hospitais de Manaus ficaram sem oxigênio para pacientes. Médicos transportando cilindros nos próprios carros para levar ao hospital e familiares tentando comprar o insumo foram algumas das cenas registradas pelo G1 na quinta. Doentes começaram a ser levados para outros estados. Cemitérios estão lotados e instalaram câmaras frigoríficas.
Dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) carregados com cilindros de oxigênio chegaram a Manaus no início da madrugada de sexta-feira (15). Eles foram enviados de Guarulhos para ajudar na crise de saúde que assola o estado do Amazonas.
No total, 386 cilindros de oxigênio foram transportados, com mais de 18 toneladas. Eles serão utilizados pelos hospitais no atendimento aos pacientes da Covid-19 no estado.
Nesta quinta (15), durante transmissão ao vivo por uma rede social ao lado do presidente Jair Bolsonaro, Pazuello havia dito que há um “colapso” no sistema de saúde de Manaus.
No último domingo, o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), enviou um pedido de ajuda aos governadores do país por conta da “iminência de sofrer desabastecimento” de oxigênio.
A partir de sexta-feira (15), o estado iniciou toque de recolher por 10 dias. Ninguém pode sair de casa entre 19h e 6h. A medida é uma tentativa de conter a propagação do vírus.



Fonte da notícia

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*