Helder Barbalho reforça pedido a Bolsonaro para conclusão da BR-163 até Santarém


Foto: Reprodução

Por G1 Santarém

Durante cerimônia de inauguração da pavimentação dos últimos 51 Km da BR-163, que faltavam para ligar o estado do Mato Grosso ao portos do distrito de Miritituba, em Itaituba, o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB) aproveitou a oportunidade para reforçar ao presidente da República, Jair Bolsonaro, o pedido para que os 50 Km restantes da rodovia até o porto de Santarém, na região oeste, sejam asfaltados.

“Já conversei com o ministro Tarcísio Freitas e gostaria de lhe fazer esse pedido, presidente. Com mais 50 km nós temos condição de poder dizer que a BR-163 estará pavimentada de Cuiabá até Santarém, interligando toda esta região. Faltam apenas 50 Km de Itaituba até Santarém, mas lembrando que lá em Rurópolis no encontro da 163 com a 230, nós ainda temos um desafio de cerca de 150 km para fechar toda a pavimentação da Transamazônica no território paraense, essa rodovia que começa na Paraíba e finda aqui. Tenho certeza que com o seu compromisso, a esperança se renova para que o Pará e o Brasil se desenvolvam”, disse Helder Barbalho.

O governador do Pará ressaltou que a conclusão da pavimentação da BR-163 até o porto de Miritituba representa o fechamento de um ciclo de mais de 40 anos que envolveu o trabalho de muitas pessoas. Parabenizou o presidente Bolsonaro pela obra executada em um tempo mais curto que o previsto, e lembrou que o Pará por ter um território onde cabem países como Portugal, Espanha e França, de 1 milhão 248 km², tem desafios enormes. Mas tem também oportunidades da produção rural, da sustentabilidade que busca compatibilizar a produção de grão com a floresta em pé, da geração de energia e da logística.

“A logística é um diferencial para que o Brasil cresça a partir dos nossos portos e do Arco Norte em Miritituba, Vila do Conde e através da navegabilidade do Rio Tapajós e de tantos outros rios para baratear o custo Brasil, tornando o nosso produto mais competitivo. Encerramos um ciclo e já projetamos outros desafios”, ressaltou Helder Barbalho.

Em seu pronunciamento o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas reafirmou que a BR-163 continua entre as prioridades do Governo Federal. E falou da felicidade em retornar à região exatamente um ano depois de ter presenciado uma fila quilométrica de caminhões e carretas no atoleiro e agora poder participar do momento histórico que é a entrega da pavimentação como foi prometido.

“Aquilo que me dava mais tristeza era ter passado pelo DNIT e não ter concluído a BR-163. E eu sempre falei isso para quem lutou para que a 163 acontecesse. Hoje é dia de lembrar daqueles que pensaram ‘hoje é dia de deslocar a logística do Brasil para o Norte. Esse é o caminho que vai nos aproximar da Ásia, da Europa e vai tornar nossos produtos mais baratos e o Brasil, competitivo’. Ano passado tínhamos 35km de atoleiro, caminhoneiros esperando uma oportunidade de passar e nós viemos para cá trazer a promessa do promessa do presidente de terminar a BR até o fim do ano. E nós fizemos”, disse o ministro.

Tarcísio Freitas também destacou o trabalho de militares, comerciantes e produtores que acreditaram que a BR-163 ia sair. “Hoje nós temos aqui pessoas do 8º BEC que trabalharam na implantação da BR-163 e agora trabalharam novamente na pavimentação até Miritituba. São heróis, porque acreditaram no Brasil. Heróis como os comerciantes que vieram para cá e acreditaram que a BR ia sair. Heróis como produtores que saíram do Sul e do Sudeste e se instalaram no Mato Grosso e no Pará, porque acreditaram que a BR ia sair. Eu acho que a gente tem que ter muito orgulho dessas pessoas, porque elas construíram um Brasil que dá certo”, disse.

Dever cumprido

O presidente Jair Bolsonaro fez um agradecimento às pessoas que respeitam a família, creem em Deus e querem que o país vá para frente. E disse que não há satisfação maior do que aquela do dever cumprido. Parabenizou os militares da engenharia de construção pela dedicação nos trabalhos de pavimentação da BR-163, falou sobre a necessidade de independência do poder executivo e que não é fácil fazer a coisa certa no Brasil, e por fim ressaltou que nos últimos 13 meses seu governo não demarcou nenhum terra indígena.

“A Amazônia é nossa, ela pode até ser solução para o mundo, mas não será um problema para nós. Queremos integrar, mas não admitimos aqueles que querem que o índio permaneça como homem pré-histórico preso em seu território. Queremos que o índio tenha o mesmo direito que o seu irmão fazendeiro do lado tem”, declarou Bolsonaro.

Se dirigindo às pessoas que participaram da cerimônia de inauguração da BR-163, presidente Bolsonaro disse que a retomada nos trabalhos na rodovia passou a ser tratada por ele ainda na transição de governo, no final de 2018. “Governar é eleger prioridades, é também não deixar obras paradas e nem procurar obras para aparecer e se reeleger lá na frente. Não estou preocupado com reeleição e nem com propaganda. Nós só podemos ter independência se tivermos a certeza que nada usamos de terceiros”, pontuou.

A cerimônia encerrou com a condecoração a militares que trabalharam na pavimentação da BR-163. Eles foram condecorados com a medalha Mérito Mauá.

Números da obra

Segundo o DNIT, para a conclusão dos 51 km entre os distritos Moraes Almeida, em Novo Progresso e Miritituba, em Itaituba, no sudoeste do Pará, foram investidos cerca de R$ 158 milhões, em 2019. A obra foi executada por 650 trabalhadores – entre servidores do DNIT, militares do Exército e funcionários de empresas contratadas. Foram realizados também serviços de terraplenagem, de pavimentação, de drenagem, de sinalização, além de trabalhos de monitoramento.

Características do clima e do solo da região exigiram muito da engenharia nacional. Os técnicos do DNIT e os soldados do Exército trabalharam de forma ininterrupta, de domingo a domingo, 24 horas por dia, com várias frentes de serviço mesmo com clima desfavorável, com a incidência de muita chuva na região.

Os serviços de manutenção foram realizados em 1.300 Km da rodovia, de Sinop (MT) a Santarém (PA), para assegurar boas condições de trafegabilidade.

A expectativa agora é de um impulso na economia, com escoamento de produtos agrícolas pelo Brasil e incremento da exportação para outros países. Segundo o DNIT, em 2019 foram escoadas pela BR-163 10 milhões de toneladas de soja e milho, com circulação de 2.500 caminhões por dia.



Fonte da notícia

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*