FMI: pandemia já tirou mais dinheiro dos emergentes que crise de 2008


Foto: Peter Foley/Bloomberg

Por Guilherme Dearo, EXAME

A pandemia do novo coronavírus está causando um impacto nos países emergentes pior que a crise financeira global de 2008. Segundo a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, quase US$ 90 bilhões (R$ 450 bilhões) já foram retirados dos mercados emergentes durante a pandemia.

“Nunca na história do FMI nós presenciamos a economia mundial nessa situação”, disse Georgieva em anúncio a órgãos de imprensa. “É um dos momentos mais sombrios da humanidade, uma grande ameaça para todo o mundo. Isso requer que permaneçamos unidos e protejamos os mais vulneráveis”, disse.

O FMI está trabalhando junto do Banco Mundial e outras instituições financeiras para tentar aliviar as perdas econômicas causadas pela pandemia, que já contaminou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo. Uma das estratégias é fazer com que bancos centrais em países desenvolvidos ajudem os bancos de países emergentes e em desenvolvimento.

Segundo Georgieva, mais de noventa países até agora entraram com pedido de ajuda financeira de fundos internacionais. “Nunca vimos um crescimento de demanda tão grande vindo dos emergentes”, analisou.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) Tedros Adhanom Ghebreyesus alertou para as profundas consequências que países que não estão levando a quarentena a sério podem sofrer, dizendo que governos flexibilizando ou acabando com a quarentena cedo demais podem enfrentar efeitos ainda mais severos e prolongados na economia. “A melhor maneira dos países aliviarem os efeitos econômicos da pandemia é enfrentar o vírus”.



Fonte da notícia

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*