Atentado a candidato a prefeito Júlio Cesar em Parauapebas foi armação, conclui laudo


Foto: Reprodução

O laudo sobre as circunstâncias do suposto atentado ao candidato Júlio Cesar (PRTB) não confirma o que as testemunhas presentes no dia do fato ouvidas pela Polícia Civil do Pará informaram.

A informação foi dada em coletiva que aconteceu nesta quarta-feira, 11, no 23º Batalhão de Polícia Militar, em Parauapebas, pelo delegado-geral do Pará, Walter Resende de Almeida.

Todos os presentes informaram que o veículo em que estava o candidato foi seguido por um gol branco, que após alcançá-lo ocorreram vários disparos em direção a camionete onde estava Júlio Cesar.

Para o Instituto Renato Chaves, afirmou em laudo que, segundo as provas colhidas e a reconstituição da cena do crime, o veículo do candidato estava parado, ou com velocidade máxima de 9 km/h, já com margem de erro para cima.

O inquérito será concluído e o delegado informará à Justiça Eleitoral o resultado, cabendo a esta qualquer tipo de punibilidade aos que tentaram induzir o eleitorado ao erro.

O candidato em questão comunicou à Polícia Civil que no dia 14 de outubro havia sofrido um atentado à bala quando voltava para Parauapebas após uma reunião política na Zona Rural do município.



Fonte da notícia

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*