Arthur Nogueira lança canção com Ronaldo Bastos e inicia temporada de shows | Pará


A temporada de apresentações traz ao público singles resultantes de parcerias inéditas em sua carreira. Depois de letras escritas por Fernanda Takai (“Pontal”) e Zélia Duncan (“Dessas Manhãs Sem Amor”), sua música recebe agora o aval de Ronaldo Bastos. O autor de clássicos como “Nada Será Como Antes” (com Milton Nascimento) e “Um Certo Alguém”(com Lulu Santos) escreveu, para a melodia de Nogueira, a letra da balada “Por Linhas Tortas”, parceria com Ronaldo Bastos, e que acaba de ser lançada nas redes.

Ronaldo Bastos é um dos maiores letristas brasileiros. Além de ter sido um dos mentores e integrantes do Clube da Esquina, o movimento musical de Minas Gerais que empreendeu inovações poéticas e harmônico-melódicas na canção brasileira, ele compôs, a partir dos anos 1980, grandes sucessos em parceria com Lulu Santos, Flávio Venturini e Celso Fonseca, entre outros artistas.

“É raro um brasileiro que não tenha pelo menos uma canção do Ronaldo como trilha sonora de sua vida. Eu tenho várias, e por isso me sinto tão contente com nossa amizade e nossa parceria. Admiro todas as fases de sua carreira e, especialmente, seu entusiasmo pela vida, que o faz viver como um eterno garoto, de braços abertos para o mundo”, poetiza Arthur Nogueira,

“Por Linhas Tortas” dá prosseguimento ao novo projeto autoral do artista paraense, que consiste em canções inéditas realizadas com o Prêmio de Produção e Difusão Artística, da Fundação Cultural do Pará (FCP).

O primeiro show traz um repertório de canções pop românticas, conhecidas do público e inéditas em sua voz. As baladas que o artista aprendeu no rádio dão o tom do roteiro, que inclui ainda suas composições recentes com Fernanda Takai e Zélia Duncan. O segundo show, dia 8, às 21h, recebe o nome da canção “Noite”, e será dedicada aos poetas, indo de Lucrécio ao ultrarromantismo, do cabaré de Brecht às baladas de Cazuza.

A poesia homoerótica latina surge no show “Onda”, dia 15, às 21h, norteado pela canção homônima, de Arthur Nogueira e Antonio Cicero. Com repertório próprio e releituras, o artista traz versos atribuídos a Safo, Teógnis e Anacreonte, contribuindo com os debates contemporâneos sobre sexualidade e liberdade. E encerra com “Asas”, dia 22, às 21h, dedicando-se às vozes femininas, com canções suas gravadas cantoras como Cida Moreira e Gal Costa.



Fonte da notícia

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*